Cão sacrificado depois que seu dono contraiu Ebola

As autoridades de saúde espanholas não estão se arriscando com o vírus Ebola, já que as autoridades daquele país conseguiram uma ordem judicial para sacrificar um cão cujo dono foi diagnosticado com a doença mortal.

A auxiliar de enfermagem Teresa Romero, 44, testou positivo para Ebola depois de tratar um padre que morreu da doença em um hospital de Madrid. Romero é a primeira vez que uma pessoa contrai a doença fora da África Ocidental. O marido de Romero, Javier Limon, está em quarentena, assim como o cachorro do casal de 12 anos, raça misturada Excalibur , foi isolado em seu apartamento.

“Quero denunciar publicamente um homem chamado Zarco, que acredito ser o chefe de saúde da Comunidade de Madrid, me disse que eles têm que sacrificar meu cachorro assim, sem nenhuma explicação”, escreveu Javier em um post que apareceu na página da Asociacion Protectora Villa Pepa no Facebook. “Ele pediu meu consentimento, o que neguei veementemente. Ele disse que vão pedir uma ordem judicial para entrar em minha casa e sacrificar o cachorro. ”



A situação de Excalibur gerou indignação nas redes sociais, especialmente no Twitter, onde postagens sobre a situação do cachorro trazem a hashtag #SalvemosAExcalibur Uma petição da change.org também pedia que o animal fosse poupado.

De acordo com o Ministério da Saúde de Madrid, Excalibur foi sacrificado na quarta-feira. Seu corpo foi e seu corpo levado para um incinerador por funcionários.

O medo de caninos espalharem o Ebola é justificado? Um estudo de 2005 (“Ebola Virus Antibody Prevalence in Dogs and Human Risk”) afirma que os cães podem pegar o vírus Ebola na natureza e esta descoberta “tem implicações potenciais para prevenir e controlar surtos humanos”.

Thomas Eric Duncan, que foi a primeira pessoa diagnosticada com Ebola nos Estados Unidos, morreu na quarta-feira em Dallas.

Fontes: ABC News, CDC, Asociacion Protectora Villa Pepa, HotAir, The Voice of School